Opinião: Novas metodologias para nossos professores

Tweet about this on TwitterShare on Facebook0Share on Google+0Share on LinkedIn0
Por Talita Moretto

Atualmente, existem muitas metodologias sobre como ensinar para a geração de nativos digitais. Alguns termos, no entanto, não estão claros para todos os professores, que acabam ignorando sua existência por não saber o que significam e não conseguir usar esta ou aquela metodologia. Contudo, se analisarmos com um pouquinho de atenção, tudo está conectado. É como se estivéssemos diante de uma única metodologia com várias vertentes, que se complementam.

Você já deve ter ouvido alguém falar Blended-Learning. O nome é super estiloso, não é? Dá a impressão que somos importantes quando aplicamos uma metodologia com tamanho impacto sonoro. Então vou te contar que Blended-Learning, também conhecido como B-Learning e Ensino Híbrido (em português), nada mais é que misturar atividades presenciais com atividades a distância. E aposto que muitos educadores e instituições já deram os primeiros passos nessa direção e nem sabiam que estavam fazendo algo tão “chique”.

blended-learning-slider

Esta metodologia permite ao professor ampliar sua sala de aula, oportunizando uma aprendizagem colaborativa, tanto presencial quanto virtual. Não se trata de abrir mão dos espaços, mas unificá-los, deixando a sala de aula mais ampla. Eu vejo também como uma excelente estratégia para o professor abordar temas relacionados ao comportamento online.

Daí algumas pessoas começam a falar mais bonito ainda: Flipped Classroom, ou Sala de Aula Invertida. Não, não é inverter o lugar da lousa com as carteiras, nem começar a sentar no teto; é inverter a “lógica” da sala de aula. Mas como? Permitindo que os alunos tenham contato com o conteúdo antes da aula presencial, em casa. Ou seja, a aula começa com a tarefa de casa! Pode ser através de um vídeo, um game educativo ou outros recursos virtuais. Desta forma, o aluno já adquire um conhecimento prévio sobre o conteúdo/assunto e utiliza a sala de aula física para tirar as dúvidas e fixar o que aprendeu, tendo suporte do professor, que passa a ser um mediador do conhecimento adquirido, e dos colegas. É uma metodologia que motiva atividades colaborativas, em grupo, a criação de projetos e promove o envolvimento dos alunos. Indico a leitura de um texto sobre os mitos em relação à sala de aula invertida.

O Ensino Híbrido e a Sala de Aula Invertida funcionam muito bem juntos, complementam-se. E para deixar a situação mais interessante contamos com alguns recursos online e gratuitos, como os REAs – Recursos Educacionais Abertos. São materiais de ensino que estão sob domínio público – “free” – na internet. Os REAs atuam na perspectiva de que o conteúdo precisa estar disponível e ser distribuído democraticamente para colaborar com o desenvolvimento das pessoas. E já existem muitos adeptos que produzem muitos REAs. Dá uma olhada no site, participe do grupo aberto no Facebook, produza e utilize REAs.

E chegamos às redes sociais virtuais. Embora ainda causem pânico entre os educadores – eu, particularmente, não sou adepta ao uso massivo na educação –, é melhor estarmos dentro delas do que deixar nossos alunos sozinhos lá, não acham? O professor pode transformar uma rede social em espaço para interação, troca de informação, de links para sites úteis, de conteúdo; para promover debates, estimular a opinião dos jovens; usar a criatividade e propor atividades interativas bacanas, que possam complementar o Ensino Híbrido, apoiar a Sala de Aula Invertida e difundir os REAs, transformando a rede virtual da sua turma em um repositório de objetos de aprendizagem.

Tudo o que foi falado aqui acontece dentro uma perspectiva chamada de “Aprendizagem Informal”, que é caracterizada pela não necessidade de estarmos em um local específico e físico para aprendermos. Podemos aprender da forma que quisermos e no nosso ritmo. Claro que este formato de aprendizagem ainda não é muito empregado nas escolas brasileiras, pois implica em dar ao aluno liberdade para escolher o que ele quer aprender, e ainda não estamos preparados para isso. Mas é uma tendência. Fiquemos de olho!

Contudo, antes de começar a exercer todas essas metodologias o educador precisa estar preparado. É necessário conhecer como funciona o ensino a distância – e até participar como aluno em um curso para conhecer bem -, explorar ambientes online, plataformas de aprendizagem, repositórios de recursos educativos digitais, saber o que é e como utilizar as redes sociais, saber pesquisar na internet, criar e administrar blogs, usar a nuvem, fazer backup, organizar arquivos online, ou seja, a formação começa “dentro de casa”, ou melhor, dentro de nós.

E, claro, o mais importante: conversar com os alunos a respeito de bullying, pedofilia, racismo e outras situações que acontecem com frequência no ambiente virtual. Acompanhar o aluno no virtual é orientá-lo em todos os sentidos, não apenas tecnológico.

Eu recomendo que conheçam o Edutopia, um projeto desenvolvido em San Rafael (California, EUA), idealizado pela George Lucas Educational Foundation (GLEF). É baseado em métodos atuais e inovadores, que englobam aprendizado emocional, b-Learning, aprendizado com jogos, integração com a tecnologia, e outros. Existem várias experiências bem-sucedidas de escolas que já atuam com a Edutopia, muitas delas em vídeos.

Para abordar a temática segurança online, conheçam os seguintes projetos e aproveitem o conteúdo disponível nos sites:

SaferNet: traz informações sobre o uso seguro da internet e tem um canal para denúncia de crimes na web.

Guia para Pais: um espaço onde os pais podem encontrar informações acerca das mais recentes tecnologias, acompanhar o comportamento online dos filhos e fazer um teste para verificar o quanto compreendem sobre as novas tecnologias.

Family Online Safety Institute: instituto que trabalha para manter o mundo online mais seguro para as crianças e suas famílias. Discute o uso de internet segura e como criar os filhos para frequentarem o ambiente online.

>A imagem ilustrativa foi criada a partir do site freepik.com e blog.lambdasolutions.net.

Este artigo foi publicado em minha coluna no NET Educação (17 de novembro de 2015).

Voltar ao topo