O que acontece quando aluno ensina aluno?

Tweet about this on TwitterShare on Facebook0Share on Google+0Share on LinkedIn0
A escola que empodera seus estudantes empodera a sociedade.

Mas em que medida isso acontece? Será que a escola sente-se confiante para empoderar seus alunos? E os estudantes? Percebem seu potencial de intervenção nas práticas convencionais, seja na escola ou na sociedade?

Ser adolescente, muitas vezes, recai no conceito de alguém apenas em construção. Contudo, construir-se é também construir.

Ao considerarmos a disponibilidade das tecnologias digitais, precisamos admitir que um bom uso pode ser feito dessas tecnologias para empoderar os estudantes, os cidadãos que continuarão a construção da sociedade.

Uma iniciativa que mostra não apenas empoderamento, mas entendimento do que é colaborar, de crescimento coletivo, de cooperação, é o canal no YouTube “Pedro Ensina” (já falamos sobre ele aqui), criado por dois adolescentes de 17 anos – João Pedro Garrido Magnani e Pedro Luz -, alunos do terceiro ano do ensino médio no Colégio Dante Alighieri (São Paulo-SP), para ajudar os colegas com dúvidas nos conteúdos disciplinares.

Um exemplo claro de que se o objetivo é o crescimento, a evolução, é necessário colaborar com o coletivo, e não apoiar-se numa construção individual e solitária.

“Nossos amigos sempre vinham tirar dúvidas com o Pedro, especialmente, na época de provas. Resolvemos criar o canal para ajudar nossos amigos e outros alunos. Então, juntamos o dom do Pedro de ensinar e meu gosto por empreendimento e produção de vídeos”, explica João, que é o responsável pela gravação, produção e edição dos vídeos.

O canal, lançado em maio de 2015, ganhou o nome de Pedro Ensina, já que é Pedro quem aparece na frente das câmeras, e já possui mais de 1.200 inscrições. “Não fomos tão criativos, mas é um nome simples, fácil de lembrar, soa bem e lembra o fato de que não é um professor ou doutor ensinando, e sim um garoto normal, um aluno explicando para outros alunos”, recorda João.

Videoaulas tratam de assuntos trabalhados na escola

Os vídeos, que tratam de assuntos trabalhados em sala de aula, foram muito bem recebidos por alunos e professores do Colégio Dante Alighieri, que elogiam e apoiam a iniciativa. E não apenas dali, o alcance foi muito além do que os estudantes imaginavam; em poucas semanas no ar, eles já recebiam mensagens de alunos de outras escolas e de diferentes estados do Brasil.

No canal, Pedro ensina sobre História, Filosofia, Química e Física, as matérias mais requisitadas pelos colegas. O vídeo mais popular até hoje é Filosofia Medieval – Santo Agostinho e a Patrística, com mais de 17 mil visualizações. Para os meninos, o sucesso se deve porque é uma matéria pouco explorada pelos produtores de videoaulas no YouTube, diferentemente de Física ou Química, por exemplo. “Hoje, nossas videoaulas de Filosofia são recomendadas por professores do nosso e de outros colégios”, contam. Comentários como: “Minha professora colocou a sua aula na escola para o pessoal ver, muito boa!” e “Aula muito boa e clara, parabéns!” comprovam a aceitação do público.

O vídeo mais popular até hoje é 'Filosofia Medieval - Santo Agostinho e a Patrística', com mais de 17 mil visualizações.
O vídeo mais popular até hoje é ‘Filosofia Medieval – Santo Agostinho e a Patrística’, com mais de 17 mil visualizações.
Os parceiros são responsáveis por toda a produção

Depois de conhecer as dúvidas dos colegas, Pedro monta um roteiro básico sobre o tema que será abordado e do conteúdo a ser apresentado na lousa. Os vídeos são gravados em um pequeno estúdio no apartamento do João.

“Começamos totalmente do zero. Num quarto, penduramos cartolinas na parede para servir de lousa e começamos a gravar. Após um ano, e depois de bastante esforço, melhoramos nossa edição, nossos equipamentos e compramos uma lousa de verdade!”, revela João.

O maior desafio sempre é gerenciar o pouco tempo disponível para a gravação das videoaulas, pois os adolescentes estão no último ano do ensino médio, preparando-se para o vestibular. Mas eles garantem que vão encontrar uma forma de continuar com o canal mesmo após a formatura.

João pretende cursar Publicidade e Propaganda, e já está no caminho certo aprendendo o processo de produção e edição de vídeos. Já Pedro quer ser professor: “Eu consegui aprender demais sobre como preparar aulas, ter mais desenvoltura na hora de falar, cativar o aluno etc., o que é muito bom”, conta.

Estudantes devem se inspirar nessa iniciativa

O envolvimento com o canal, a responsabilidade na produção das videoaulas, serviu para mudar a visão dos adolescentes sobre o ensino. “Percebemos que ter um professor, numa sala de aula, está longe de ser a única forma de fazer um aluno realmente aprender um conteúdo”, afirmam.

E, claro, toda essa experiência deve continuar sendo divulgada, para inspirar outros estudantes a também atuarem mais na escola e na sociedade, e buscar esse empoderamento.

“Queremos mostrar aos estudantes do país inteiro que todos têm o potencial de serem protagonistas no ensino. Pode ser ajudando os amigos com dúvidas, participando e promovendo tutorias nas suas escolas ou mesmo produzindo videoaulas, como nós. Não há necessidade de serem superproduções elaboradas, o que importa é que a iniciativa exista. Acreditamos fielmente que esse é o segredo pra uma melhor educação: Pôr os alunos no centro, como pessoas também capazes de produzir conhecimento e, principalmente, disseminá-los entre outros estudantes” – João Pedro Garrido Magnani e Pedro Luz.

Contato: holdlahand@gmail.com.

Voltar ao topo