6º Simpósio Hipertexto abre chamada de trabalhos para sua sexta edição

simposio-hipertexto-2015Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação convida pesquisadores de todo o país para sua chamada de trabalhos e inscrições. Em 2015, o evento chega a sua sexta edição promovendo a discussão em torno do tema Aprendizagem Aberta e Invertida. As atividades estão programadas para acontecer no campus da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), nos dias 7 e 8 de dezembro.

Promovido através de uma organização conjunta entre o Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologia Educacional (Nehte), o grupo Ciências Cognitivas e Tecnologia Educacional (CCTE), a Pós-Graduação em Ciências da Computação e o Mestrado Profissional em Letras, todos vinculados à UFPE, o congresso abriga pela segunda vez o Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias do qual participam líderes internacionais da educação convidados pela organização. A iniciativa é coordenada pelos pesquisadores Alex Sandro Gomes (CIn/UFPE) e Antonio Carlos Xavier (Letras/UFPE).

O Simpósio Hipertexto já faz parte da agenda nacional e internacional de eventos acadêmicos sobre linguagem, tecnologia e aprendizagem. Transdisciplinar, a iniciativa congrega a cada edição pesquisadores das mais diversas áreas de estudo, todos reunidos em torno do debate sobre práticas pedagógicas desenvolvidas com o auxílio das tecnologias digitais de informação e comunicação. O principal objetivo é proporcionar o diálogo entre os educadores a fim de estimular práticas docentes mais eficazes e prazerosas nos diversos níveis de escolaridade.

As inscrições para o Simpósio Hipertexto são divididas em duas chamadas, a primeira delas com prazo final em 30 de junho. Os interessados podem participar como apresentadores de trabalho ou como participantes ouvintes. Os dois tipos de inscrição oferecem a oportunidade de inscrição adicional em uma das oficinas oferecidas exclusivamente para os participantes do evento.

Educadores, pesquisadores e gestores podem apresentar nas sessões de comunicação tanto pesquisas já concluídas como pesquisas em andamento ou relatos de experiência. Os graduandos devem participar da modalidade pôster digital, criada especialmente para estudantes. O diferencial desta modalidade é a avaliação das apresentações e posterior premiação com a entrega do Troféu Luiz Antônio Marcuschi para a apresentação mais bem avaliada.

Autores de aplicativos e projetos de arte digital podem participar do Prêmio Hipertexto, cujas inscrições também estão abertas.

As inscrições são feitas diretamente no site: www.simposiohipertexto.com.br/inscricoes.

Presenças confirmadas

O Simpósio Hipertexto é composto por uma série de atividades divididas em categorias, como conferências, mesas-redondas, sessões de comunicação e oficinas. Também integra a programação a exposição Artes Digitais e Tecnologias Educacionais da qual fazem parte os projetos selecionados na edição vigente do Prêmio Hipertexto: artes digitais e aplicativos educacionais.

Para esta edição de 2015, já estão confirmadas quatro grandes conferências, duas nacionais e duas internacionais. Entre os conferencistas nacionais está o professor titular da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Nelson Pretto. Responsável pelo projeto de inclusão sociodigital Tabuleiro Digital, Nelson Pretto tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação e Comunicação, atuando principalmente nos temas internet, educação e cibercultura, tecnologia educacional, software livre e acesso aberto.

Outro convidado nacional é o professor associado da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Marco Silva. Sociólogo e doutor em Educação, Marco Silva é um dos fundadores da Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura (ABCiber). Entre os temas recorrentes em seus projetos estão a interatividade, a formação de professores para docência online e o desenho didático em ambientes virtuais de aprendizagem colaborativa.

Os convidados internacionais trabalham juntos e são os responsáveis pela criação do Institute for Knowledge Innovation and Technology – IKIT (Instituto de Inovação do Conhecimento e Tecnologia) em Toronto, no Canadá. Marlene Scardamalia e Carl Bereiter, professores da Universidade de Toronto, desenvolveram juntos a teoria conhecida como Knowledge Building (construção do conhecimento), que descreve o que uma comunidade de aprendizes precisa realizar para construir conhecimento. Para eles, aprendizagem e construção de conhecimento são processos distintos.

A abordagem dos pesquisadores canadenses trata de um processo de construção do conhecimento em que os alunos gerenciam as ideias com as quais trabalham em comunidade, de forma colaborativa. Essa construção do conhecimento diz respeito ao processo de criação de novos artefatos cognitivos. Os aprendizes ultrapassam a compreensão passando do estágio de aprendizes para o de pensadores.

Nessa perspectiva, os dois pesquisadores uniram seus trabalhos também no desenvolvimento do primeiro sistema de rede de aprendizagem colaborativa (o Computer Supported Intentional Learning Environments – CSILE) que evoluiu para o atual Knowledge Forum, ambiente virtual de aprendizagem intencional que ajuda os estudantes a compreender como o conhecimento é construído socialmente, proporcionando a reflexão, revisão e transformação dos seus conhecimentos.

Fonte: Pipa Comunicação

Voltar ao topo
Visit Us On FacebookVisit Us On TwitterVisit Us On YoutubeVisit Us On Instagram